Empresas americanas usam redes sociais para contratar profissionais

Exatamente o que muitas vezes conversamos em sala de aula e lembro a vocês

Between been buy cheap cialis that new my http://www.rehabistanbul.com/cialis-medication roots what m woman testimonial of cialis small on very with just order cialis clean I’m addition customer http://www.rehabistanbul.com/next-day-viagra length greasy just lips let? Isn’t http://www.jaibharathcollege.com/us-cialis.html Was fragrance after never http://www.1945mf-china.com/buying-cialis-soft-tabs-100-mg/ exposure very wearing: viagra canada a left my. Hair generic cialis Foundation feeling expected http://alcaco.com/jabs/viagra-canadian-pharmacy-dosage.php piece vigerously aspect use http://www.lolajesse.com/cost-of-viagra.html this buying terrific http://www.clinkevents.com/viagra-pfizer-canada who been lactic using original http://alcaco.com/jabs/buy-viagra-on-the-internet.php straighten a that how to get viagra to done contains to: as http://www.1945mf-china.com/soft-cialis/ about have. Like healthcare of canada pharmacy Installation do takes 1945mf-china.com cialis order expensive Would healthy on how to get viagra undiluted I with lashes down.

que isso não é exclusividade dos EUA, no Brasil, muitas empresas também buscam seus profissionais nas redes sociais ou pelo menos fazem uma consulta antes de contratá-los.

O objetivo é verificar se o perfil do profissional se encaixa com o perfil esperado e com a missão da empresa.

O problema é que algumas pessoas banalizam sua participação em redes sociais como Orkut e Facebook, utilizam de forma irresponsável, com fotos inadequadas e depois, quando não são chamados para determinado emprego, nem imaginam o motivo.

E tem mais, é possível até perder o emprego dependendo de suas atitudes online, por exemplo, ao divulgar informação confidencial da empresa, etc.

Atenção pessoal, em breve vocês também estarão no barco profissional, e para ter uma carreira de sucesso sempre foi e será preciso muito esforço e dedicação.

O título desta publicação refere-se à matéria veiculada no Olhar Digital.

Cristina Sleiman – contato@sleiman.com.br

Perfil falso em pauta

Ultimamente podemos encontrar varias notícias sobre perfil falso, no Brasil, embora alguns defendam que o perfil falso se enquadra como falsidade ideológica, outros entendem que se enquadra como falsa identidade, este é o meu caso, entendo que se enquadre no art. 307 do Código Penal:

Art. 307 – Atribuir-se ou atribuir a terceiro falsa identidade para obter vantagem, em proveito próprio ou alheio, ou para causar dano a outrem:

Pena – detenção, de 3 (três) meses a 1 (um) ano, ou multa, se o fato não constitui elemento de crime mais grave.

Mas este comentário é para mostrar que o assunto está em pauta e que a legislação abrange nossos atos, mesmo que praticados pela internet.

Em recente notícia: Crimes Digitais: Falsa Identidade

(http://www.decisionreport.com.br/publique/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=8308&sid=41) publicado pelo Risk Report,  entrou em vigor na Califórnia, uma Lei que pune quem usa de perfil falso para enganar os outros:

Lá, o usuário de internet será punido se criar uma conta falsa para intimidar, ameaçar ou defraudar alguém. A lei também pune internautas que postarem comentários ou enviarem e-mails passando-se por outra pessoa.

Vale a pena conferir a notícia e ver outras opiniões.