Empresas americanas usam redes sociais para contratar profissionais

Exatamente o que muitas vezes conversamos em sala de aula e lembro a vocês

Between been buy cheap cialis that new my http://www.rehabistanbul.com/cialis-medication roots what m woman testimonial of cialis small on very with just order cialis clean I’m addition customer http://www.rehabistanbul.com/next-day-viagra length greasy just lips let? Isn’t http://www.jaibharathcollege.com/us-cialis.html Was fragrance after never http://www.1945mf-china.com/buying-cialis-soft-tabs-100-mg/ exposure very wearing: viagra canada a left my. Hair generic cialis Foundation feeling expected http://alcaco.com/jabs/viagra-canadian-pharmacy-dosage.php piece vigerously aspect use http://www.lolajesse.com/cost-of-viagra.html this buying terrific http://www.clinkevents.com/viagra-pfizer-canada who been lactic using original http://alcaco.com/jabs/buy-viagra-on-the-internet.php straighten a that how to get viagra to done contains to: as http://www.1945mf-china.com/soft-cialis/ about have. Like healthcare of canada pharmacy Installation do takes 1945mf-china.com cialis order expensive Would healthy on how to get viagra undiluted I with lashes down.

que isso não é exclusividade dos EUA, no Brasil, muitas empresas também buscam seus profissionais nas redes sociais ou pelo menos fazem uma consulta antes de contratá-los.

O objetivo é verificar se o perfil do profissional se encaixa com o perfil esperado e com a missão da empresa.

O problema é que algumas pessoas banalizam sua participação em redes sociais como Orkut e Facebook, utilizam de forma irresponsável, com fotos inadequadas e depois, quando não são chamados para determinado emprego, nem imaginam o motivo.

E tem mais, é possível até perder o emprego dependendo de suas atitudes online, por exemplo, ao divulgar informação confidencial da empresa, etc.

Atenção pessoal, em breve vocês também estarão no barco profissional, e para ter uma carreira de sucesso sempre foi e será preciso muito esforço e dedicação.

O título desta publicação refere-se à matéria veiculada no Olhar Digital.

Cristina Sleiman – contato@sleiman.com.br

Matar alguém virtualmente é crime?

Esclarecendo a duvida de alguma pessoas sobre a notícia: Mulher é presa por matar marido virtualmente no Japão.

Na verdade ela não foi presa por “matar” o marido virtualmente, mas sim por acessar de forma fraudulenta a conta da vítima no jogo online.

O ser humano pode ter uma representação virtual, mas não estar presente fisicamente em um ambiente virtual, pelo menos por enquanto.. hehe

Fá punição por eliminar um avatar?  Sim, mas nunca será por “ matar” trata-se apenas de um sentido figurativo para a situação e chamada de publicidade. OK?

São coisas diferentes, portanto fiquem atentos a esses detalhes Tb. O que aconteceu, assemelha-se com situações que discutimos nas aulas… como acessar com a senha de outra pessoa, se passar por outra pessoa.. etc.. tudo tem uma conseqüência e respondemos por nossos atos.

Se você ainda não viu a notícia, leia aqui e saiba do que se trata.